Carol Berman – Repensando a relação entre humanos e não humanos / Rethinking the relationship between humans and non humans

About Carol Berman (THE STATE UNIVERSITY OF NEW YORK, SUNY):

Dra. Carol Berman has a Ph.D in Animal Behavior, from the Cambridge University, England, under Robert Hinde. She also has done  Post Doctoral Research at Northwestern University in the Antropology Department with Donald Sade, and Undergraduate Studies in Psychology at Brandeis University, Waltham, MA.  She is one of pioneers in the modern approaches to Animal Behavior. She is formally retired since 2017, but continues to mentor several graduate students and co-publish research articles with them at the University at Buffalo and helped to found the Graduate Program in Evolution, Ecology and Behavior. She has one co-authored edited book with Bernard Chapais, “Kinship and Behavior in Primates”, Oxford University Press, 2004, and over 80 peer-reviewed articles and book chapters. 

In her interview Carol Berman exposes a little about her work on Cayo Santiago Island – Puerto Rico.

 

1- Interviewer  Zélia Bora – To start, how did you become interested in primate kinship research?

Interviewe Carol Berman – I have been interested in all aspects of biology for as long as I can remember. My interest in animal behavior was sparked in middle childhood by a short book by Vance Packard called “Animal Intelligence”. It fascinated me, taught me that animal behavior was actually an area of scientific inquiry, and put me on the road to seeking a career that area. For my sixteenth birthday, I was given a subscription to “National Geographic” magazine by a friend of the family. The second issue I received had Jane Goodall’s first publication on her work with wild chimpanzees. I was captivated not only by her descriptions of chimpanzee behavior, but also by the fact that there were opportunities for people, and particularly young women, to do this kind of work. At about this age, I began to pursue summer jobs in animal behavior laboratories, and was fortunate enough to be placed in experimental/comparative psychology labs at the University of Maryland and other labs in the Washington, DC area. I learned a tremendous amount in these settings, but also realized that the approach these labs took was not what I was looking for. They used a stimulus-response paradigm with individually-housed captive animals, asking whether they could perform highly artificial tasks in an effort to reduce our understanding of complex behavior to very simple principles based purely on learning through reward and punishment. I also had nightmares about what these creatures were going through. When I went to college and majored in Psychology, I found that this approach dominated the courses and opportunities for research there too. It wasn’t until I graduated that I discovered a community of researchers interested in understanding the natural behavior of animals in their own habitats, and who did this by systematically observing animals go about their lives in the wild. Indeed I was able to find a place in a PhD program at the University of Cambridge, UK, with the same professor that advised Jane Goodall’s PhD.His name was Robert Hinde. I was thrilled and terrified at the same time.

Robert Hinde was a giant in the field of animal behavior having written ‘the bible’ that synthesized American Comparative Psychology (the approach I was already exposed to in which simple learning was deterministic) and European Classical Ethology (which was interested in natural behavior but saw it as purely genetically determined). His synthesis saw both deterministic approaches as flawed, arguing that behavior was the outcome of series of complex interactions between environmental and genetic influences;logically no behavior could be the outcome of environmental stimuli or genes alone, just as a cake is not the outcome of ingredients or the recipe alone, but rather of a complex and variable  interaction of the two. At the time, he was focusing his research on understanding mother-infant relationships in small captive social groups of rhesus monkeys as a way to develop a science of social relationships and to test John Bowlby’s attachment theory of social bonding. With his guidance, I designed a study of free-ranging rhesus monkeys on Cayo Santiago, Puerto Rico, to test whether some of his findings could be verified in a larger, naturally formed, and species-typically organized social group of the same species. My aim was also to expand our understanding in this more natural setting to include a description of the ways in which infants become fully integrated members of their societies. In so doing, I found that among other factors, maternal kinship relationships were key, and kinship became a focus of my research throughout my career. Mothers introduce their infants to their close maternal kin from the beginning. They carry their infants with them as they continue to interact in a friendly way with a subset of group members who tend to be their own close kin. Mothers also are more tolerant of these individuals when they attempt to handle or interact in other ways with their infants. Through maternal transmission, they come to not only associate with close kin more than others, they also favor them in all kinds of friendly and cooperative interaction and support them in conflicts with other families that are less closely related.

Z.  And how did this research affect your personal views on human and non-human relationship?

C.  I had always leaned toward viewing humans as biological beings (rather than beings separate from other animals and ‘one step below the angels’) and as kindred to other animals, particularly those species to which we are closely related. Finding how much primate societies were shaped by kinship relationships reinforced this view, and made me appreciate the power of kinship in human societies even more. More generally, it made me appreciate the importance of social bonds and the ways that both humans and nonhumans benefit from them, acquire them, maintain, nurture and use them in ways that may benefit or harm others.

 

Carol Berman grad students on Cayo 

Dunayer, katharine Burke and Krishna Balasubramanian

 

2- Z.  How does the research on Cayo Santiago benefit the studies on the environment and especially the lives of the primates?

C.  Research on Cayo Santiago has facilitated our ability to understand primate societies, not just of rhesus monkeys, but of all primate species. Cayo Santiago is an island population that allows researchers to keep track of individuals throughout their lives and over generations more easily than in most field sites. In addition, because our records are so complete, and because the monkey groups are relatively large and unmanipulated, yet naturally formed and species-typical in organization, we have been able to discern certain organizing principles of their societies, such as kinship and dominance, more easily and more clearly than in most field sites. This has facilitated the abilities of other researchers to see these same principles at work in smaller wild groups of many species. This knowledge in turn has informed managers of wildlife as well as of captive primates about the social and environmental needs of primates that they may otherwise have ignored. For example, rhesus monkeys in India live alongside humans and can cause a great deal of damage to homes and crops. Efforts to remove them from areas where conflict is great began with haphazard trappings of random monkeys without regard to the social structure of the groups they were disturbing. This often caused the groups to split and multiply, causing additional conflict with local people. Using a knowledge of the social bonds that contributed to group structure, a colleague of mine, Dr. Iqbal Malik, designed an inexpensive procedure to humanely trap whole groups and to re-locate them to suitable habitats where the local people welcomed them. In a captive example, an understanding of social structure, and specifically the fact that female rhesus monkeys remain in the groups into which they were born for life, has led to the reduction of aggression among females who must be removed from their groups periodically and then returned. At one time, they were not necessarily returned to the same group from which they were taken, provoking severe aggression against them. Simply understanding that females form the permanent core of their groups and are hostile to females in other groups prevents harm to them in this situation.

 

Island of Cayo Santiago 

 

Cayo Santiago is not truly wild; although the monkeys roam freely on a lush (until Hurricane Maria) island, and although manipulation is limited to a short annual period when noninvasive tests and measurements are allowed, the monkeys have no predators, and they are supplied with ample amounts of food and clean water. Nevertheless, research there can help to interpret the importance of some environment factors in truly wild populations. This is partly because many environmental factors are relatively constant on Cayo Santiago: through the year, daylength and temperatures vary within only a narrow range, and water and amounts of food provided per monkeys are consistent and are distributed over the island in the same manner. Thus, when we see the monkeys’ behavior vary from group to group, over time or between individuals, we are likely to attribute these variations to social factors such as group size or composition rather than environmental variation. If other researchers who study this species or related species in the wild see similar variations in behavior, they will have a basis for hypothesizing that these variations are also due to social factors rather than simply assuming that they are due to any environmental variation they see. So research on Cayo Santiago can indirectly guide research on the effects of the physical environment vs. the social environment. The constancy of the environment on Cayo Santiago can also aid in understanding the importance of particular environmental features on Cayo Santiago. For example, rhesus monkeys are not normally territorial. Rather, different social groups occupy overlapping home ranges, essentially time sharing the same piece of real estate. However, one group on Cayo Santiago displayed territorial behavior when it occupied a small part of the island that connected with the rest of the island via a narrow isthmus. The group lined up at the entrance to its area and drove off other groups attempting to enter. This demonstrated that environmental features that allow easy defense of an area and its resources can alter the behavior of normally non territorial animals, bolstering evidence for an ecological principle about the relationship between defensibility and territoriality across species. 

 

Rhesus pair grooming

 

3- Z.  How do concepts of kin preferences based on matrilineal dominance system possibly exemplify human’s history from matriarchal clan to patriarchal family? (we have here in mind references to the classical thesis defended by Evelyn Reed on her book Woman’s evolution). 

C. I hesitate to tackle this question because I do not consider myself an expert on human history. My understanding of the evolution of human behavior generally ends before the appearance of human beings with fully human language andsymbolic abilities. Rather I have paid more attention to ideas surrounding the transition from nonhuman primate behavior and societies to possible early hominine forms. Having said that, it is my understanding that Reed’s ideas have struck a note with feminist and Marxist intellectuals, but not with biological anthropologists who have taken a very different approach. Apparently, Reed based her ideas on early observations of contemporary human cultures that lived primarily through hunting and gathering or simple agriculture. At the time that she wrote, little information was available on nonhuman primate societies, so she was unable to take these societies into consideration when contemplating human origins and history. Current biological anthropologists are able to consider the evolutionary origins of human society, while also taking into consideration general principles of behavior and ecology that apply to a wide range of species. Thus when they study contemporary societies that have simple technologies and economies, they often ask to what extent human societies conform to these more general principles?Conversely, to what extent do our unique human attributes make us special cases? An excellent example of this approach is the current hypothesis of Sarah Hrdy and others that many special attributes of humans evolved as a result of our becoming a cooperatively breeding species, similar in some key ways to cooperatively breeding marmosets and tamarins as well as other nonprimate species. In cooperative breeding, success rests on the willingness of group members, especially kin, to help and support mothers and their dependent offspring. Such supplementation allows human mothers to reproduce more quickly than our close great ape relativeswhose mothers care for infants on their own. Supplementation has also been hypothesized to drive evolutionary increases in social perceptiveness, intelligence,mutual understanding, and cooperation, including coordinated group action.Under this perspective, the strong bonds between rhesus mothers and their offspring, and the matrilineal (not matriarchal) structure of their societies can be seen as a prerequisite to the evolution of cooperatively breeding, even though kin favoritism in this species does not include supplementing mothers per se.

Strong mother-offspring bonds and matrilineal social structures also form a necessary building block for another current hypothesis about the origins of human societies. While acknowledging the vast amount of diversity in human societies, Bernard Chapais focused on common attributes of human social structure and broke them down into several component parts.Some he noted were unique to humans whereas others could be found in other primate species. However, no other species displayed the full complement of these components. He then used the logic of phylogenetic reconstruction, commonly used by evolutionary ecologists, to trace the separate evolutionary origins of each component and their stepwise reconfiguration to a uniquely human form. In this scenario, one of the earliest building components were the strong mother-offspring bonds and matrilineal social structures typical of rhesus monkeys (and other macaques and baboons).

Both these models are notable because they go beyond earlier models that focused on the social structure of a particular nonhuman primate and attempted to go directly from that social structure to human attributes and societies. Chimpanzees were often chosen for their close phylogenetic relationship to humans, or matrilineally structured groups were chosen as ‘typical nonhuman primates’. However, as we learned more about a variety of primate species, it became clear that they display very diverse social structures, and that there is no typical one. We also learned that bonobos, which are equally closely related to humans as chimpanzees, differ from them in behavior and social structure in important ways. Thus, the single species approach could no longer be justified. Hrdy’s and Chapais’ approaches gather strength by taking into consideration a much larger body of evidence from primates that show both similarities and differences to humans, and that apply general principles derived from analyzing the sources of this variation.

For a fascinating view of the possible evolutionary and environmental underpinnings of human patriarchy from the point of view of primatology, I recommend Barbara Smuts’ “The Evolutionary Origins of Patriarchy” (reference below). Like Hrdy and Chapais, this model makes use of both similarities and differences in the position of females among nonhuman primate species to construct plausible and testable hypotheses about the conditions that are likely and unlikely to lead to patriarchy in human societies. The separation of women from their kin at marriage is one that is particularly striking to me.

 

Delivering the baby to mon

 

4- Z. What else can we learn about primates in terms of love and altruism. Can you tell us more based on the inferences we can make from your article “Primate kinship: contributions form Cayo Santiago”?

C. I hesitate to use the term ‘love’ because it has so many meanings and generally refers to an emotion that we can only infer in others rather than a behavior that we can observe. In contrast, altruism, as it is used by animal behavior researchers refers to behavior that benefits the receiver of the behavior at some cost to the giver. Cooperation similarly refers to behavior that benefits the receiver and may or may not benefit the giver as well.

Cayo Santiago researchers and their alumni have done important research on the topic of altruism, and more generally cooperation, among animals, beginning with the findings of strong kin preferences among maternally-related rhesus monkeys. Early studies assumed that this was an example of altruism and an evolutionary outcome of kin selection. Over the years, researchers have tested this idea increasingly rigorously, and have found strong evidence that kin selection can indeed account for some observed examples of altruism favoring kin among monkeys, although it may be limited to only very close relatives. The evolutionary processes that shape other potential examples of altruism and cooperation, including the giving and receiving of grooming, are still to be worked out. One of my current PhD students, Erica Dunayer, is currently examining which hypothesized principles best fit the patterns of grooming we observe on Cayo Santiago:  kin preferences, tit for tat reciprocity regardless of kin relatedness, the strength of long term social bonds regardless of kin relatedness, or current ‘market’ conditions. The idea that there is a rudimentary biological ‘market economy’ in grooming is the most recent hypothesis that likens grooming to a form of currency that can be exchanged for grooming itself or for other services, including tolerance by dominant individuals at shareable resources and support in conflicts with opponents. It addresses cooperation, but not as a form of altruism, and certainly not ‘love’. So it will be exciting to see whether it prevails or not over the more relational hypotheses. When grooming is exchanged for other services or desirable opportunities, the biological markets hypothesis predicts that supply and demand principles will operate, such that more grooming is required to ‘purchase’ rare opportunities or services than readily available ones. As such, Erica isalso examining exchanges of grooming of mothers before the mothers allow their infants to be handled by eager infant admirers. Must they groom the mother longer when few infants are available in the group than when many are available? She has just completed her data collection on Cayo Santiago, so we eagerly await the results of her study, which promises to be the most comprehensive of its kind, in the next year.

5- C. Final remarks.

I’ll end by recommending further reading of the authors I have cited above.

Bernard Chapais (2008). Primeval Kinship: How Pair-Bonding Gave Birth to Human Society, Harvard University Press, Cambridge, MA.

Sarah Hrdy (2009). Mothers and Others: The Evolutionary Origins of Mutual Understanding. Harvard University Press, Cambridge, MA.

Ronald Noë, &PeterHammerstein (1995). “Biological Markets”. Trends in Ecology & Evolution, 10,336-339.

Barbara Smuts (1995). “The Evolutionary Origins of Patriarchy”. Human Nature 6(1): 1-32.

 

OCTOBER, 19th 2018. 

 

 

Sobre Carol Berman (THE STATE UNIVERSITY OF NEW YORK, SUNY):

Dr. Carol Berman é doutora em Comportamento Animal (Animal Behaviour) pela  University of Cambridge, Inglaterra , sob orientação de Robert Hinde. Ela também possui Pós-Doutorado pela North western University em Antropologia sob a supervisão de Donald Sade, e graduação em  Psicologia na Brandeis University em Waltham, MA. Ela é uma das pioneiras dos Estudos Modernos em Comportamento Animal. Apesar de estar oficialmente aposentada desde 2017, continua orientando vários alunos de Pós-Graduação e publicando as pesquisas com eles na Universidade Estadual de Nova Iorque, Buffalo. Dra. Carol, ajudou também a fundação do Programa de Pós-Graduação em Evolução, Ecologia e Comportamento. Como pesquisadora publicou em coautoria com Bernard Chapais, “Kinshipand Behavior in Primates”, Oxford University Press, 2004,  e mais de 80 artigos e capítulos de livros.

Em sua entrevista Carol Berman expõe um pouco sobre seu trabalho realizado na Ilha  Cayo Santiago – Puerto Rico. 

 

1- Entrevistadora Zélia Bora –  Para começar, como você se interessou pela pesquisa de parentesco primata?

Entrevistada Carol Berman – Tenho me interessado por todos os aspectos da biologia desde que me entendo por gente. Meu interesse pelo estudo sobre o comportamento animal foi despertado ainda na infância por um pequeno livro escrito por Vance Packard intitulado “Inteligência Animal”. O livro me fascinou. Ele me ensinou que o comportamento animal era na verdade uma área de investigação científica e me instigou a buscar uma carreira nessa área. No meu décimo sexto aniversário ganhei uma assinatura da revista “National Geographic” de um amigo da família. A segunda edição que recebi continha a primeira publicação do trabalho de Jane Goodall sobre chimpanzés selvagens. Fiquei encantada não somente pelas descrições sobre o comportamento dos chimpanzés, mas também pelo fato de que havia oportunidades para que as pessoas, especialmente mulheres jovens, fizessem esse tipo de trabalho. Nessa mesma época comecei a procurar empregos de verão em laboratórios sobre o comportamento animal. Tive a sorte de ingressar no laboratório de psicologia experimental/ psicologia comparativa na Universidade de Maryland e em outros laboratórios na área de Washington DC. Aprendi muito com esta oportunidade, mas também percebi que a abordagem desses laboratórios não era o que eu procurava. O paradigma utilizado baseava-se no método de estímulo-resposta com animais cativos individualmente, buscando verificar se estes poderiam realizar tarefas artificiais, o que reduzia nossa compreensão sobre o complexo comportamento a princípios muito simples baseados puramente no aprendizado através do método de recompensa e punição. Eu tinha também pesadelos por causa do sofrimento imposto a essas criaturas. Quando entrei para a faculdade e me graduei em psicologia, eu descobri que essa abordagem era uma abordagem dominante tanto nos cursos quanto nas oportunidades de pesquisa. Só quando me formei que descobri uma comunidade de pesquisadores interessados em compreender o comportamento natural dos animais em seus próprios habitats, observando sistematicamente seus comportamentos na natureza. Na verdade, consegui o meu lugar no programa de doutorado na Universidade de Cambridge, no Reino Unido, com o mesmo professor que aconselhou e que foi orientador do doutorado de Jane Goodall. Seu nome era Robert Hinde. Fiquei emocionada e aterrorizada ao mesmo tempo.

Robert Hinde era um gigante da área de comportamento animal, tendo escrito “a bíblia” que sintetizava a Psicologia Comparativa Norte-Americana e a Clássica Etologia Europeia (uma abordagem à qual eu já havia sido exposta e que considerava o aprendizado animal determinista). Sua síntese considerava as duas tendencias como problemáticas, argumentando que o comportamento animal era resultado entre as influências genéticas e ambientais. Logicamente,  nenhum comportamento poderia ser o resultado do estímulo ambiental ou apenas do genes, como se fosse um bolo e  não um  resultado dos ingredientes ou uma receita sozinha,  mas sim de uma interação complexa e variável dos dois. 

Naquela época, ele fazia as suas pesquisas sobre a compreensão das relações entre mães e bebês de pequenos grupos cativos de macacos-rhesus, como uma maneira de desenvolver uma ciência das relações sociais e testar a teoria do apego social de John Bowlby. Sob sua orientação, projetei um estudo sobre os macacos-rhesus livres na ilha de Cayo Santiago, em Porto Rico, para testar se algumas de suas descobertas poderiam ser verificadas em um grupo social maior, de animais livres e tipicamente organizados por indivíduos da mesma espécie. Meu objetivo foi expandir nosso entendimento num cenário mais natural para incluir uma descrição das maneiras pelas quais os bebês se tornam membros totalmente integrados em suas sociedades. Ao fazê-lo, descobri que, entre outros fatores, as relações de parentesco materno eram fundamentais, e parentesco se tornou um foco de minha pesquisa ao longo da minha carreira. As mães apresentam seus bebês aos parentes maternos próximos desde o início. Eles carregam seus bebês enquanto estes continuam a interagir de uma forma amigável com um subgrupo de membros do grupo que são os seus parentes mais próximos. As mães também são mais tolerantes com esses indivíduos quando tentam lidar ou interagir de outras maneiras com seus bebês. Através da transmissão materna, eles não só se associam a parentes mais próximos do que outros, como também os favorecem em todos os tipos de interação amigável e cooperativa, apoiando-os em conflitos com outras famílias de parentesco mais distante. 

Z. Como essa pesquisa influenciou a sua concepção sobre a relação humano e não humano?

C. Eu sempre considerei os seres humanos como seres biológicos e com parentesco com outros animais, particularmente aquelas espécies às quais estamos intimamente relacionadas (em vez de seres separados de outros animais e uma hierarquia abaixo dos anjos). Descobrir o quanto as sociedades de primatas eram moldadas pelas relações de parentesco reforçou essa certeza e me fez apreciar ainda mais o poder do parentesco nas sociedades humanas. Mais genericamente, isso me fez apreciar a importância dos laços sociais e as formas em que os seres humanos e os não humanos se beneficiam deles, os adquirem, mantêm, nutrem e usam de maneiras a poderem beneficiar ou prejudicar os outros.

 

Carol Berman e grupo de estudantes 

Dunayer, katharine Burke e Krishna Balasubramanian

 

2- Z.  Como a pesquisa em Cayo Santiago beneficia os estudos sobre o meio ambiente e especialmente sobre a vida dos primatas?

C.  A pesquisa em Cayo Santiago facilitou nossa capacidade de entender as sociedades dos primatas, não apenas de macacos-rhesus, mas de todas as espécies de primatas. Cayo Santiago é uma ilha que possui uma população que permite aos pesquisadores acompanharem os indivíduos ao longo de suas vidas e através de gerações com mais facilidade do que na maioria dos locais de campo. Além disso, como nossos registros são completos e os grupos de macacos são relativamente grandes e não manipulados, mas formados dentro de uma organização natural, temos sido capazes de discernir certos princípios estruturais de suas sociedades, como parentesco e dominação, mais facilmente e mais claramente do que na maioria das localidades de campo. Isso facilitou o trabalho de outros pesquisadores que puderam ver os mesmos princípios em grupos menores de outras espécies selvagens de outras espécies. Esse conhecimento, por sua vez, informou os gestores da vida selvagem, bem como os gestores de primatas cativos, sobre as necessidades sociais e ambientais dos primatas que, de outra forma, eles ignoram. Por exemplo, macacos-rhesus na Índia vivem ao lado de humanos e podem causar muitos danos a casas e plantações. Esforços para removê-los de áreas onde o conflito é grande começaram com armadilhas aleatórias para macacos, sem levar em conta a estrutura social dos grupos que eles estavam perturbando. Isso geralmente fazia com que os grupos se dividissem e se multiplicassem, causando conflitos adicionais com a população local. Usando o conhecimento dos laços sociais que contribuíram para a estrutura do grupo, um colega meu, o Dr. Iqbal Malik, desenvolveu um método barato para interceptar grupos inteiros e reposicioná-los em habitats adequados onde a população local os acolheu. No caso de macacos em cativeiro, uma compreensão maior da estrutura social e, especificamente, do fato de que as fêmeas de macacos-rhesus permanecem nos grupos em que nasceram por toda a vida, levou à redução da agressividade entre as fêmeas que devem ser removidas de seus grupos periodicamente e depois devolvidas. Ao mesmo tempo, elas não foram necessariamente devolvidos ao mesmo grupo de onde foram retirados, provocando severa agressão contra eles. A simples compreensão de que as fêmeas formam o núcleo permanente de seus grupos e são hostis às fêmeas de outros grupos impede que elas sejam prejudicadas nessa situação.

 

Ilha de Cayo Santiago

 

Cayo Santiago não é verdadeiramente selvagem; embora os macacos perambulem livremente em uma ilha exuberante (até o furacão Maria), e embora a manipulação seja limitada a um curto período anual quando testes e medidas não invasivos são permitidos, os macacos não têm predadores e são abastecidos com grandes quantidades de comida e água limpa. No entanto, pesquisas lá podem ajudar a interpretar a importância de alguns fatores ambientais em populações verdadeiramente selvagens. Isto é em parte porque muitos fatores ambientais são relativamente constantes em Cayo Santiago: ao longo do ano, o comprimento do dia e as temperaturas variam dentro de uma faixa estreita, e a água e a quantidade de comida fornecida por macacos são regulares e distribuídas da mesma maneira pela ilha. 

Assim, quando vemos o comportamento dos macacos variar de grupo para grupo, ao longo do tempo ou entre indivíduos, atribuímos essas variações a fatores sociais, como tamanho ou composição do grupo, em vez de variação ambiental. Se outros pesquisadores que estudam esta espécie ou espécies relacionadas na natureza observarem variações semelhantes no comportamento, eles terão uma base para supor que essas variações também são devidas a fatores sociais, em vez de simplesmente assumir que elas são devidas a qualquer variação ambiental percebida. Portanto, pesquisas em Cayo Santiago podem orientar indiretamente pesquisas sobre os efeitos do ambiente físico versus ambiente social. A constância do ambiente em Cayo Santiago também pode ajudar a entender a importância de características ambientais específicas. Por exemplo: os macacos-rhesus normalmente não são territoriais.  Ao invés disso, diferentes grupos sociais ocupam as mesmas áreas, sobrepondo-se, compartilhando a mesma propriedade. No entanto, um grupo em Cayo Santiago demonstrou um comportamento territorial quando ocupou um pequeno espaço que se conectava ao resto da ilha através de uma pequena faixa de terra (isthmus). O grupo se enfileirou na entrada de sua área e expulsou outros grupos que tentavam entrar. Isso demonstrou que características ambientais que permitiram a fácil defesa de uma área e seus recursos podem alterar o comportamento de animais normalmente não territoriais, reforçando a evidência de que existe um princípio ecológico que relaciona defensibilidade e territorialidade entre as espécies.

 

Casal Rhesus em sua higiene diária

 

3- Z. Como conceitos de preferências de parentesco baseados em sistemas de dominação matrilinear poderiam exemplificar o percurso histórico humano, do clã matriarcal à família patriarcal ? (temos em mente, aqui, referências à clássica tese defendida por Evelyn Reed em seu livro Woman ‘sevolution).  

C.  Eu hesito em abordar essa questão porque não me considero expert em história humana. Meu conhecimento da evolução do comportamento humano geralmente acaba antes da aparição de seres humanos com linguagem inteiramente humana e habilidades simbólicas. Tenho prestado mais atenção, ao contrário, a ideias em torno da transição de comportamentos e sociedades primatas não humanas para possíveis formas hominídeas iniciais. Dito isso, é de meu conhecimento que as ideias de Reed tocaram profundamente intelectuais feministas e marxistas, mas não antropólogos biológicos que enveredaram por uma abordagem bastante diferente. Aparentemente, Reed baseou suas ideias em observações iniciais de culturas humanas contemporâneas que sobreviveram primariamente de caça e coleta, ou agricultura simples. No momento em que ela estava escrevendo, havia pouca informação disponível sobre sociedades primatas não humanas, então ela foi impedida de levá-las em consideração ao contemplar a história e as origens humanas. Antropólogos e biológicos contemporâneos são capazes de considerar as origens evolutivas da sociedade humana levando-se em consideração simultaneamente, os princípios gerais de comportamento e ecologia que se aplicam a uma grande variedade de espécies. Dessa forma, quando eles estudam sociedades contemporâneas que possuem tecnologias e economias simples, eles frequentemente indagam até que ponto sociedades humanas se conformam a esses princípios mais gerais. Em contrapartida, até que ponto os nossos atributos humanos nos tornam casos especiais? Um excelente exemplo dessa abordagem é a atual hipótese de Sarah Hrdye outros, de que muitos atributos especiais dos humanos evoluíram como resultado de termos nos tornado uma espécie cooperativamente reprodutora, semelhante a algumas espécies cooperativas como os saguis, micos e outras espécies não primatas. Na reprodução cooperativa, o sucesso depende da disposição dos membros do grupo, especialmente os que têm laços de parentesco entre si, para ajudar e apoiar mães e as crias que dependem delas. Essa suplementação permite que mães humanas reproduzam mais rapidamente que nossos parentes hominídeos, cujas mães cuidam sozinhas de seus filhotes. Também há referências à suplementação como um fator preponderante no aumento dos processos evolutivos como aumento evolutivo sobre a percepção social, inteligência, compreensão mútua e cooperação, incluindo ações coletivas coordenadas entre o grupo. Sob essa perspectiva, os fortes laços entre as mães rhesus e suas crias, a estrutura matrilinear (não matriarcal) de suas sociedades pode ser vista como pré-requisito para a evolução cooperativa na reprodução, mesmo que o favoritismo de parentesco na espécie não inclua a suplementação de mães de modo individual.

Fortes Ligações entre mãe e cria e estruturas sociais matrilineares também constituem uma peça fundamental para uma outra hipótese atual sobre as origens das sociedades humanas. Reconhecendo o alto grau de diversidade em sociedades humanas, Bernard Chapais destacou os atributos comuns da estrutura social humana e os separou em numerosas componentes. Ele notou que algumas eram peculiares aos humanos, enquanto outras podiam ser encontradas em outras espécies de primatas. Entretanto, nenhuma outra espécie apresentou o conjunto completo desses componentes. Então, ele usou a lógica de reconstrução filogenética, comumente utilizada pelos ecologistas evolucionistas, para traçarem separadamente a origem evolutiva de cada componente e sua reconfiguração gradativa até uma forma peculiarmente humana. Nesse cenário, um dos mais antigos componentes construtivos foram as ligações mãe-cria fortes e as estruturas sociais matrilineares típicas de macacos Rhesus (e outros macacos e babuínos).

Ambos os modelos são notáveis porque vão além de modelos mais anteriores que focalizaram particularmente na estrutura social de um determinado primata não humano e tentavam ir diretamente dessa estrutura social aos atributos e sociedades humanas. Chimpanzés foram frequentemente escolhidos devido as suas estreitas relações filogenéticas com os humanos, ou grupos matrilinearmente e escolhidos como “primatas típicos não humanos”. No entanto, à medida em que íamos aprendendo mais sobre toda a variedade de espécies de primatas, ficou claro que elas apresentam estruturas sociais bastante diversas, e que não há uma que seja típica.Também descobrimos que os bonobos, que têm uma relação tão próxima com os humanos como é o caso dos chimpanzés, diferem dos humanos em aspectos importantes como comportamento e estrutura social. Assim, a abordagem sobre uma só espécie não mais poderia ser justificada. Desse modo, as abordagens de Hrdy e Chapais ganham força por considerarem um corpo de evidências sobre primatas que mostram semelhanças e diferenças com os humanos, e que aplicam princípios gerais derivados da análise das fontes dessa variação. 

Para entrar em contato com uma visão fascinante dos possíveis alicerces evolutivos e ambientais do patriarcado humano do ponto de vista da primatologia, eu recomendo“The Evolutionary Origins of Patriarchy”, de Barbara Smuts (referência abaixo). Como Hrdye Chapais, esse modelo utiliza as semelhanças e diferenças entre as fêmeas de várias espécies não humanas para construir hipóteses plausíveis e testáveis sobre as condições mais ou menos prováveis que levem ao patriarcado nas sociedades humanas. A separação das mulheres em relação a seus parentes, no casamento, é uma que considero particularmente impressionante para mim. 

 

Entregando o bebê a mamãe

 

4- Z. O que mais podemos aprender sobre os primatas em termos de amor e altruísmo? Poderia elaborar algo nesse sentido levando-se em consideração as inferências que fazemos a partir de seu artigo “Primatekinship: contributions form Cayo Santiago”?

C.  Eu hesito em utilizar o termo “amor” porque ele tem muitos significados e, geralmente, refere-se a uma emoção que só pode ser inferida através dos outros e não um comportamento que podemos observar. Em contraste, o altruísmo, como utilizado por pesquisadores de comportamento animal, refere-se a um comportamento que beneficia aquele que o recebe, mas gera certo custo para aquele que o dá. Cooperação, de forma semelhante, refere-se a um comportamento que beneficia aquele que o recebe e que pode ou não beneficiar também aquele que o dá. 

Os pesquisadores de Cayo Santiago e seus alunos realizaram pesquisas importantes sobre o tópico do altruísmo e, de forma mais geral, da cooperação entre animais, começando com as descobertas de fortes preferências de parentesco entre macacos rhesus com ligações maternais.Estudos iniciais presumiram que esse se tratava de um exemplo de altruísmo e um resultado evolutivo da seleção por parentesco. Ao longo dos anos, pesquisadores testaram essa ideia com crescente rigor e encontraram fortes evidências de que a seleção por parentesco pode de fato justificar alguns exemplos de altruísmo que favorecem parentes coobservado entre macacos, podendo ser limitado a parentes muito próximos. Os processos evolutivos que moldam outros exemplos potenciais de altruísmo e cooperação, incluindo dar e receber cuidados (grooming), precisam ainda ser estudados. Uma de minhas estudantes de doutorado, Erica Dunayer, atualmente está examinando os princípios hipotéticos que melhor se adequam aos padrões de “grooming” que podemos observar em Cayo Santiago, tais quais: preferências de parentesco, reciprocidade “elas por elas” independentemente de relações de parentesco, a força de laços sociais a longo prazo independentemente das relações de parentesco, ou as atuais condições de “mercado”. A ideia de que há uma “economia de mercado” biológica rudimentar no grooming é a hipótese mais recente que compara o grooming a uma forma de moeda que pode ser trocada por grooming ou outros serviços, como tolerância por indivíduos dominantes em recursos partilháveis e apoio em conflitos com oponentes. Grooming dirige-se à cooperação, mas não como forma de altruísmo, e certamente não como forma de “amor”. Então, será empolgante ver se ele prevalece ou não sobre as hipóteses mais relacionais. Quando grooming é trocado por outros serviços ou oportunidades desejáveis, a hipótese de mercado biológico prevê que princípios de oferta e demanda são postos em operação, tais como: mais grooming é necessário para “comprar” oportunidades ou serviços raros do que aqueles mais prontamente disponíveis. Assim, Erica também está examinando trocas de “grooming”entre as mães antes destas permitirem que seus filhos sejam manuseados por admiradores ávidos. Eles precisariam oferecer grooming à mãe por mais tempo quando menos filhos estão disponíveis no grupo do que quando muitos estão disponíveis? Ela completou recentemente sua coleta de dados em Cayo Santiago, então estão esperando ansiosamente os resultados de seus estudos prometem o mais abrangente desse tipo, no próximo ano.

5. C.  Considerações finais. 

Terminarei com algumas recomendações de leituras adicionais dos(as) autores(as) que citei acima.

Bernard Chapais (2008). Primeval Kinship: How Pair-Bonding Gave Birth to Human Society, Harvard University Press, Cambridge, MA.

Sarah Hrdy (2009). Mothers and Others: The Evolutionary Origins of Mutual Understanding. Harvard University Press, Cambridge, MA.

Barbara Smuts (1995). “The Evolutionary Origins of Patriarchy”. Human Nature 6(1): 1-32.

 

19 de Outubro de 2018. 

 

 

Tradução para Língua Portuguesa/Translation to portugese language: 

Willian Dolberth e Yuri Molinary ( Universidade Federal do Paraná, Brasil/ University of Paraná, Brazil).

 

Equipe ASLE-Brasil para essa entrevista/ ASLE-Brasil team to this interview: 

Antonio Felipe B. Neto ( Universidade Federal da Paraíba)

 Evely Libanori (Universidade Estadual do Paraná)

Willian Dolbert (Universidade Federal do Paraná)

Yuri Molinary (Universidade Federal do Paraná)

Zélia M.Bora( Universidade Federal da Paraíba)

 

 


Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *