Craig Russell – Literature and Ecocriticism / Literatura e Ecocrítica

About Craig Russell 

Craig Russell is a Canadian author. His 2016 novel, Fragment, a world-spanning eco-thriller, was selected by Yale University’s Climate Connections for their 2017 climate-fiction reading list. (Published by Thistledown Press.). As a lawyer (now retired) Craig administered the land titles system for 5,000 square miles of Manitoba, Canada, supervising millions of dollars of transactions each day. His first novel, Black Bottle Man, received the 2011 American Moonbeam Gold Medal and was a finalist for the Canadian Aurora Award for bestnovel. His stage adaptation of that story will be performed in Richmond, Virginia, USA in March, 2019 as part of the annual Acts of Faith Theatre Festival. Since 1989 Craig and his wife Janet have been restoring ‘Johnson House’, a 1906 Victorian heritage home in Brandon, Manitoba.

 

Craig Russell 

 

1. Interviewer Zélia Bora – Craig, let me start by asking you about the history of your literary project. When did you start? Can you tell us about the specific characteristics of your narratives? 

Interviewee Craig Russell – As a university student I lived and worked for a summer at the Canadian Arctic weather station at Mould Bay, Prince Patrick Island, ~500 miles from the North Pole. It was an exciting experience for a farm boy, so I kept up with polar events. When the Antarctic Larsen “A” and “B” Ice Shelf collapses occurred decades later I was intensely interested. I’d seen Arctic ice twenty-feet thick, and the scale of an Antarctic ice shelf is so far beyond that it fired my imagination. In a sense the specific “moment” that inspired me to write Fragment, took place in February 2006. That was a very cold time in Canada to be thinking about global warming.  But Canadians had, to my acute dismay, elected a climate change denier as our Prime Minister, Mr. Stephen Harper.  Writing Fragment was my response. The Larsen collapses were dramatic, and I started the SF process of imagining “what if?”. What if that happened in the Ross Sea, to a far thicker and more solid ice shelf, that’s the size of France?

 

2. Z. Can you tell us about the specific characteristics of your narratives?

C. When writing, I find it’s important for me to find at least two interesting ideas that can play off of each other in the story. So in Fragment we have not only the catastrophic events that unfold when a huge part of the three-hundred-meter thick Ross Ice Shelf is thrust out into the ocean, but also the civilization changing interactions that come from humans and blue whales learning to communicate with each other. Then, I try to put my characters in a situation they can’t escape from. (Either because of physical limitations, like the three scientists who are held incommunicado aboard the submarine; or because of a sense of duty, like when Ring, the blue whale feels he has to stay near the Fragment, to warn other blue whale pods of the danger it poses to their survival. Once they’re locked into the situation I confront the characters with problems which I don’t know the solution to, and see how (and if) they can find a way to survive. 

Some authors describe this as chasing your characters up a tree, and then throwing rocks at them.

 

Mould Bay -Iceberg on the Arctic Ocean

 

3. Z. What led you in your second novel, Fragment, an ecological thriller (2016), to combine the implausibility of the elements in the plot with the realistic elements? In other words, how the beautiful and touching story of Ring, the blue whale, interacts with human experience and saves the lives of many blues under the threat of shifting glaciers?

C. I find that readers are willing to suspend their disbelief about something fantastic, like human/whale communication, IF you respect their imagination and intelligence. You do that by trying to fully explore the logical ramifications of that leap into something less plausible. For Fragment I researched everything from sailing to statistics to the physics of wave formation. I also read classical fiction about life at sea, to enrich my store of the figurative language that sailors use to talk about waves, boats, and weather. Naturally, I took artistic license with the fantastical aspects of the story but the places described, like the whalebone arches in Stanley, and the conditions, like the waves and storms in the Drake Passage are factual. Especially in “The Facts” sections of the book I worked hard to make sure the science was as accurate as possible.

BUT – I did make one scientific error, in one sentence. In the future, the Moon will orbit farther from Earth. Not closer. Bob MacDonald, the host of CBC Radio’s Quirks & Quarks, wrote me a lovely note to say he had quite enjoyed the novel, but he kindly pointed out my mistake. My error there was to not double check something I thought I already knew. Ah, hubris.

 

Mould Bay – Bison carcass in the arctic

 

4. Z. In Fragment, you explore the effects of climate change. Literarily debated, you introduce well researched scientific explanations about the problem to the reader and explore the ironies behind plausiblefacts in the near future. As a writer, how do you see the political divisions over the subject and how important is the literary creation to conquer minds and hearts to care about nature?

C. I’m often dismayed by the willful blindness displayed by “conservative” politicians and their supporters. Everyday we trust the scientific work that has launched satellites, invented microchips and lasers, and discovered amazing new medical treatments. The scientific debate has been over for years.  I believe that many of us are stuck in the first stage of grief;  Denial. It’s hard to accept this terrible truth.

We strive in business; in extracting the Earth’s treasures – and find that we’ve put a gun to the temple of our planet.  I say to climate deniers – If a fire was headed toward our homes we’d work together to stop it, not stand idle while we debate how it started.  So much of politics and the decisions we make is about the stories we tell ourselves; about ourselves, about other creatures and about the world. National myths are powerful and dangerous things. In Canada and the U.S. (and possibly Brazil) we share the national myth of the endless, open frontier. There is always more land, more forest … more world to exploit. But there isn’t. We live under the Earth’s thin atmosphere. If you dive into the ocean, one atmosphere (14.7 psi) is the pressure caused by the weight of a column of water about ten meters deep. So in a very real sense, all of our air pollution has gone, and continues to go into an amount of material equivalent to a ten-meter layer of water! (And we get very upset at the thought of someone peeing in a swimming pool.)

 

5. Z. When you were a student more than forty years ago, you had the opportunity to work for the Department of National Defense in the Canadian Arctic at a weather station. You had the opportunity to keep a close eye on changes in the Artic and the Antarctic, such as the breakupof the Larsen Ice Shelf. Your knowledge and perspective are very important to an ecocritic writer and literary activism.Can your readers count on this look forward to wait more eco-thrillers?

C. I don’t currently have another climate-change story in the works because I’m focused on getting Fragment, and its ideas about our place in the world, out into the public square. I’ve sent copies of the book to a number of politicians, which seems like a Quixotic quest.  But there’ve been positive responses from some pretty wise people. Yale University’s “Climate Connections” put Fragment on their recommended climate-change reading list.

 

Mould Bay – Weather Station

 

Just today I had a lovely email from Dr. Weronika Łaszkiewicz of the University of Bialystok in Poland. She said: “Last month I participated in a conference on fantasy fiction in Brno (Czech Republic) and Dr. Marek Oziewicz, (the University of Minnesota’s Marguerite Henry Professor of English) who was one of the keynote speakers, used your novel Fragment to illustrate one of the points of his lecture (the lecture explained, among other things, how fantasy novels can undermine and dismantle the anthropocentric perspective of the world).”  I believe that artists, performers and writers can fire the public’s willingness to havereal discussions about what we must do to cherish and protect our beautiful world.

 

Z. Final Remarks – 

C. Thank you very much! 

Z. Thank You. 

November 24th, 2018.  

 

Sobre Craig Russell 

Craig Russell é um autor canadense. Seu romance de 2016, Fragment, um thriller ecológico de abrangência mundial, foi selecionado pela Climate Connections da Universidade de Yale para lista de leituras sobre ficções climáticas de 2017. (Publicado pela Thistledown Press). Como advogado (agora aposentado), Craig administrava o sistema de títulos de propriedades de uma área de 5.000 milhas quadradas de Manitoba, no Canadá, supervisionando milhões de dólares em transações todos os dias. Seu primeiro romance, Black Bottle Man, recebeu a medalha de ouro americana Moonbeam de 2011 e foi finalista do Canadian Aurora Award de melhor romance. Sua adaptação para o palco dessa história será encenada em Richmond, Virgínia, EUA, em março de 2019, como parte do Actsof Faith Theatre Festival (Festival de Teatro Atos de Fé) realizado anualmente desde 1989, Craig e sua esposa Janet estão restaurando a Johnson House, uma casa dopatrimônio vitoriano de 1906, em Brandon, Manitoba.

 

Craig Russell

 

1. Entrevistadora Zélia Bora – Craig, gostaria de começar perguntando sobre a história do seu projeto literário. Quando você começou? Você pode nos falar sobre as características específicas de suas narrativas? 

Entrevistado Craig Russell – Como estudante universitário, morei e trabalhei durante um verão na estação meteorológica canadense do Ártico, em MoldBay, Prince Patrick Island, a aproximadamente 500 milhas do Polo Norte. Foi uma experiência emocionante para um garoto de fazenda, então eu continuei trabalhando com eventos polares. Quando décadas depois ocorreram os colapsos das plataformas de gelo da Antártica Larsen “A” e “B”, fiquei intensamente interessado. Eu tinha visto gelo do Ártico com vinte pés(seis metros) de espessura, e a escala de uma plataforma de gelo da Antártida está tão além disso,o que disparou minha imaginação. De certo modo, o “momento” específico que me inspirou a escrever Fragment, ocorreu em fevereiro de 2006. Esse foi um período muito frio no Canadá para pensar sobre o aquecimento global. Mas os canadenses haviam, para minha grande consternação, eleito como nosso primeiro-ministro um negacionista da mudança climática, Stephen Harper. Escrever Fragment foi a minha resposta.

Os colapsos de Larsen foram dramáticos, e eu iniciei o processo SF de imaginar “e se?”. E se isso acontecesse no Mar de Ross, em uma plataforma de gelo muito mais espessa e sólida, que é do tamanho da França?

 

2. Z. Você pode nos falar sobre as características específicas de suas narrativas?

C. Quando escrevo, acho importante encontrar pelo menos duas ideias interessantes que podem se destacar na história. Então, em Fragment temos não apenas os eventos catastróficos que se desenvolvem quando uma grande parte da plataforma de gelo Ross, de 300 metros de espessura, é lançada no oceano, mas também as interações que mudam a civilização, provenientes dos humanos e das baleias azuis aprendendo a se comunicar entre si. Então, eu tento colocar meus personagens em uma situação da qual eles não podem escapar. (Por causa de limitações físicas, como os três cientistas que são mantidos incomunicáveis ​​a bordo do submarino; ou por causa de um senso de dever, como quando Ring, a baleia azul, percebe que tem que ficar perto do Fragmento, para avisar a outros cardumes de baleias azuis do perigo que isso representa para sua sobrevivência.Uma vez que eles estão presos à situação, eu confronto os personagens com problemas para os quais eu não sei a solução, e vejo como (e se) eles podem encontrar uma maneira de sobreviver.

Alguns autores descrevem isso como perseguir seus personagens em uma árvore e depois jogar pedras neles.

 

Mould Bay – Iceberg sobre o Oceano Ártico 

 

3. ZO que o levou em seu segundo romance, Fragment (2016), um thriller ecológico, a combinar a inverossimilhança dos elementos do enredo com os elementos realistas? Em outras palavras, como a bela e tocante história deRing, a baleia azul, interage com a experiência humana e salva as vidas de muitas baleias azuis sob a ameaça de geleiras mutáveis?

C. Eu acho que os leitores estão dispostos a suspender sua descrença sobre algo fantástico, como a comunicação humano / baleia, SE você respeitara imaginação e inteligência deles. Você faz isso tentando explorar plenamente as ramificações lógicas desse salto para algo menos plausível. Para Fragment, pesquisei de tudo, desde navegação até as estatísticas paraa física da formação de ondas. Eu também leio ficção clássica sobre a vida no mar, para enriquecer minha história com a linguagem figurada que os marinheiros usam para falar sobre ondas, barcos e clima. Naturalmente, tomei licença artística com os aspectos fantásticos da história, exceto os lugares descritos, como os arcos de osso de baleia em Stanley, e as condições, como as ondas e as tempestades na passagem de Drake, são factuais. Especialmente nas seções “Os Fatos” do livro, trabalhei duro para garantir que a ciência fosse a mais precisa possível. 

MAS – Eu cometi um erro científico, em uma frase. No futuro, a Lua irá orbitar mais longe da Terra. Não mais perto. Bob MacDonald, apresentador do Quirks & Quarks, da Radio CBC, escreveu-me uma bela nota para dizer que tinha gostado muito do romance, mas ele gentilmente apontou meu erro. Meu erro foi não checar duas vezes algo que eu achava que já sabia. Ah, arrogância.

 

Mould Bay – carcaça de bison do Ártico 

 

4. Z.  Em Fragment, você explora os efeitos da mudança climática. Debatido literariamente, você apresenta explicações científicas bem pesquisadas sobre o problema para o leitor e explora as ironias por trás de fatos plausíveis no futuro próximo. Como escritor, como você vê as divisões políticas sobre o assunto e quão importante é a criação literária para conquistar mentes e corações para se importar com a natureza?

C. Eu fico frequentemente consternado com a cegueira intencional exibida por políticos “conservadores” e seus partidários. Todos os dias confiamos no trabalho científico que lançou satélites, inventou microchips e lasers e descobriu novos tratamentos médicos surpreendentes. O debate científico já terminou há anos. Acredito que muitos de nós estão presos no primeiro estágio de aflição; Negação.

É difícil aceitar essa verdade terrível. Nos esforçamos nos negócios; na extração dos tesouros da Terra – e descobrimos que apontamos uma arma para o templo do nosso planeta. Eu digo aos negacionistas do clima – Se um incêndio se dirigisse para nossas casas, nós trabalharíamos juntos para combatê-lo, não ficaríamos parados discutindo como tudo começou.  Grande parte da política e das decisões que tomamos é sobre as histórias que contamos nós mesmos; sobre nós mesmos, sobre outras criaturas e sobre o mundo. Mitos nacionais são coisas poderosas e perigosas.

No Canadá e nos EUA (e possivelmente no Brasil) nós compartilhamos o mito nacional da fronteira aberta e sem fim. Há sempre mais terra, mais floresta … mais mundo para explorar. Mas não existe. Vivemos sob a fina atmosfera da Terra. Se você mergulhar no oceano, uma atmosfera (14,7 psi) é a pressão causada pelo peso de uma coluna de água com cerca de dez metros de profundidade. Então, em um sentido muito real, toda a nossa poluição do ar se foi, e continua a entrar em uma quantidade de material equivalente a uma camada de dez metros de água!  (E ficamos muito aborrecido ao pensarem alguém fazendo xixi em uma piscina.)

 

5. Z. Quando você era estudante há mais de quarenta anos, teve a oportunidade de trabalhar para o Departamento de Defesa Nacional no Ártico canadense em uma estação meteorológica. Você teve a oportunidade de observar de perto as mudanças no Ártico e na Antártida, como o rompimento da Plataforma de Gelo Larsen. Seu conhecimento e perspectiva são muito importantes para um escritor ecocrítico e para o ativismo literário. Seus leitores podem contar com essa expectativa de aguardar mais thrillers ecológicos?

C. No momento, não tenho outra história sobre mudança climática em andamento porque estou focado em divulgar Fragment e suas ideias sobre o lugar que ocupamos no mundo. Enviei cópias do livro para vários políticos, o que parece uma missão quixotesca. Mas tem havido respostas positivas de algumas pessoas bastante sábias.

 

Mould Bay Estação de Meteorologia 

 

“Conexões Climáticas” da Universidade de Yale colocam Fragment na sua lista recomendada de leitura das mudanças climáticas. Hoje mesmo recebi um e-mail encantador da Dra. WeronikaŁaszkiewicz, da Universidade de Bialystok, na Polônia. Ela disse: “No mês passado eu participei de uma conferência sobre ficção de fantasia em Bruno (República Tcheca) e o Dr. Marek Oziewicz, professor de Inglês da Universidade de Minnesota Marguerite Henry, que foi um dos oradores principais, usou seu romance Fragmentpara ilustrar um dos pontos da palestra dele (a palestra explicou, entre outras coisas, como os romances de fantasia podem minar e desmontar a perspectiva antropocêntrica do mundo).”  Acredito que artistas, atores e escritores podem incitar a disposição do público para ter discussões reais sobre o que devemos fazer para valorizar e proteger nosso mundo maravilhoso.

 

5. Z.  Considerações finais:

C. Muito obrigado!

Z. Obrigada você Graig. 

24 de novembro de 2018. 

 

Tradução para Língua Portuguesa/Translation to portugese language: 

    Ivana Peixoto da Franca (Universidade Federal da Paraíba) 

Revisão do texto em português/ Review of the text in Portuguese: 

Evely Libanori   (Universidade Estadual do Paraná)

Equipe ASLE-Brasil para essa entrevista/ ASLE-Brasil team to this interview: 

Antonio Felipe B. Neto – Suporte Técnico/Technical support ( Universidade Federal da Paraíba) 

Willian Dolbert (Universidade Federal do Paraná)

Yuri Molinary (Universidade Federal do Paraná)

Zélia M. Bora( Universidade Federal da Paraíba)

 

 






Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *